Switchfoot

Seguinte: sua banda preferida vem ao Brasil pela 1ª vez. E em uma cidade relativamente perto da sua. Em uma SEXTA-FEIRA! E, com preço acessível. Perfeito não? Pois é. Acontece que no sábado é a festa de aniversário de 70 anos da sua vó e de ônibus os horários não batem pra você chegar a tempo. De carro só tem uma opção que pode não dar certo. Eu já posso me matar?

Gente, é sério, alguém me leva pra Ribeirão Preto dia 17 e Três Lagoas dia 18 ou então, eu vou surtar. SURTAR! SUR-TAR!

IUASHDIUHASDUHASUIHDIAHDUIOAHDIUASHDUIASD

Anúncios

Hope

There’s a song that’s inside of my soul; It’s the one that I’ve tried to write over and over again; I´m wake in the infinite cold; But you sing to me over and over and over again – (Only hope – Switchfoot)

Ainda que o vento não esteja a favor e que os resultados não apareçam. Ainda que o cansaço cegue e que a força se esgote…

.

ainda que eu pense em desistir, a minha esperança nunca morrerá.


Vitrine

É como se fosse aquela vitrine da sua loja preferida. Você olha e não se cansa de olhar. São tantos detalhes a serem observados mesmo os manequins permanecendo estáticos. Alguma coisa ali instiga a olhar mais uma vez, ver se chegaram as roupas da nova estação. Ou ainda quem sabe, por puro costume, velhos hábitos. Rotina? Não sei. Tinha um pedaço de si no reflexo do vidro, talvez por isso sentia que aquela vitrine lhe pertencia naquele momento. Agradando ou não! Levar alguma coisa física então,

nem era o primordial…

Ou

Busca-se tanto respostas, motivos para justificar erros ou acertos, que me pergunto,

até que ponto as certezas são realmente necessárias?

Quantas certezas você tem?

QUE DIFERENÇA FAZ PRA VOCÊ?

(…)

O granuloma

Desinfecção da mesa cirúrgica, preparo do instrumental na sua devida ordem, paciente senta, antissepsia com iodo. Vai começar! Adrenalina a mil, e isso porque eu estava apenas acompanhando pela tela da filmagem. Eu já não sabia se era aluna, operador, auxiliar ou paciente. Eu estava me sentindo em todos os lugares, com todas as responsabilidades. Remoção do granuloma piogênico! Aquele que no semestre passado eu via somente nos slides e lâminas de patologia. Agora ele era real e estava bem ali na minha frente em uma pessoa! Queria ajudar o paciente, queria segurar um sugador, queria sair correndo daquele sangue todo, mas ao mesmo tempo, queria ver tudo. Descobrir como pinçar aquela artéria e parar aquela pulsação. Fazer a sutura e ver o resultado. Vou te confessar que naquele momento eu me vi como dentista.

Finalmente!

Fim de inverno

Passou correndo pelo vento cortante daquele fim de inverno, só queria voltar pra algum lugar mais quentinho. Nem se importava com as lágrimas geladas, ao contrário, elas até distraíam a dor. De qualquer forma, isso era o que menos incomodava…

‘Vai passar, tem que passar…’

(Logo será primavera)

Em letras

É interessante nos encontrarmos nas palavras. Aquele livro que foi devorado letra por letra vivendo um personagem. Ou não, as vezes era só em um capítulo, uma página, ou mesmo em uma única frase. As vezes eu me vejo em letras, outras em sons, imagens. Algumas vezes eu desenho minha vida em algumas palavras, em outras eu apenas imagino como seria se o ‘se’ não existisse. Coloco personagens que existem, outros que eu crio, outros em que eu sou parte e você é a metade. Você não existe igualmente para os outros…

você existe em mim.