Amostra grátis

Foi à loja comprar seu perfume de sempre e ganhou de brinde uma amostra grátis de uma fragrância por ele desconhecida. Chegou em casa, tomou seu banho como habitualmente fazia e experimentou o novo frasco. Era um aroma diferente, envolvente e incrivelmente puro. Como se fosse uma única substância naquele líquido azul. E uma substância nunca dantes notada. Sem perceber, tornou a amostrinha seu perfume diário e não conseguia mais ficar sem aquele cheiro. Como era um frasco de amostra, em pouquíssimo tempo se esgotou. Nosso amigo foi então à loja onde havia sido presenteado e pediu um frasco comum daquela amostra grátis e, foi então, surpreendido pela balconista que disse que o último frasco havia sido vendido minutos atrás. Ele foi logo perguntando onde mais poderia encontrar outra amostra ou então se poderia encomendar o perfume e então a surpresa: a marca havia parado de fabricar o perfume e aquela era a única loja do país que o vendia.

Nesse caso só haviam duas escolhas para o nosso amigo: desistir e esquecer do perfume, ou então, vasculhar o mundo atrás da sua preciosa fragrância. O que ele deveria fazer?

Anúncios

Não acredito

em quem gosta somente de qualidades. Sabe o ‘básicão’, clichê… c&a? Aquilo que se diz sem medo de errar? Pois é. Eu não acredito. Gosto mesmo é daquilo que foge à regra. Quero ver gostar dos defeitos, manias, diferenças… Eu sou aquela que em um self-service o coloca o bacalhau do lado do quiabo.

E acho lindo!

Learning to breath

Hello, good morning, how you do?
What makes your rising sun so new?
I could use a fresh beginning too
All of my regrets are nothing new
So this is a way that I say I need you
This is a way
This is a way that I’m learning to breathe
I’m learning to crawl
I’m finding that you and you alone can break my fall
I’m living again, awake and alive
I’m dying to breathe in these abundant skies…

Pessoas

Não sabia lidar bem com… pessoas! Ele não tinha certeza absoluta, mas sua desconfiança caminhava cada dia mais para a confirmação. Chegara à meia idade sem ter construído nada sólido. Nenhum filho, nenhum grande amor, nenhuma obra eterna para a humanidade. Ele não sabia ao certo lidar com as pessoas. Simples assim. Não que ele não gostasse das pessoas, ao contrário, mas ele não sabia como mantê-las. Era como se uma força sobrenatural as afastassem e ele só notasse muito depois.  Destino ou escolha?